Polícia Civil do Tocantins orienta sobre prevenção e denúncias de crimes cibernéticos

Com o avanço da tecnologia e as facilidades que a internet proporciona, é cada vez mais comum realizarmos diversas tarefas pelo celular. Essa facilidade permitiu o ganho de tempo e mobilidade, porém, a ação criminosa que é praticada no mundo físico também tem espaço no mundo virtual. Dessa forma, a Divisão Especializada a Repressão de Crimes Cibernéticos (DRCC), unidade vinculada à Diretoria de Repressão à Corrupção e ao Crime Organizado (Dracco) da Secretaria da Segurança Pública, alerta que para não ser vítima de golpes virtuais é necessário rever constantemente os cuidados com a proteção digital.

Levantamento realizado pela DRCC aponta que, somente neste primeiro semestre de 2020, foram registrados mais de 600 Boletins de Ocorrências (BOs) de crimes virtuais. O delegado titular da DRCC, Roger Knewitz, esclarece que os crimes mais recorrentes são estelionato e furtos mediante fraude. Segundo ele, parte dessas ocorrências são de atribuição de outros estados, para onde são remetidas, em virtude do local de consumação do crime.

Leia Mais…

Como os criminosos agem e como se proteger?

O delegado Roger Knewitz explica que, no estelionato, a vítima é induzida ao erro por achar que está favorecendo alguém a qual possua algum vínculo, quando, na verdade, está caindo em um golpe. Um dos crimes mais recorrentes nesta linha é a clonagem de whatsapp, em que o criminoso se passa pelo dono da conta do aplicativo pedindo, geralmente, transferências bancárias ao seu favor. Neste caso, o ideal é não repassar dinheiro para terceiros sem antes se certificar pessoalmente com o solicitante.

Outro exemplo típico de estelionato é quando infratores estabelecem um relacionamento virtual, vindo a pedir fotos íntimas da vítima para, posteriormente, extorqui-la mediante ameaça. “Desta forma, o ideal é proteger a imagem, não enviando conteúdo comprometedor a terceiros”, enfatiza o delegado.

Já em casos de furtos mediante a fraude, Roger Knewitz informa que a vítima é pega de surpresa. Os infratores clonam cartões ou realizam compras em nome da vítima sem conhecimento e aval da mesma. Neste caso, a dica é verificar se o site é confiável, inclusive consultando as avaliações e reputação do vendedor; não clicar em links; evitar passar dados pessoais para pessoas ou empresas desconhecidas; nunca fornecer senhas ou códigos recebidos via SMS, tomando as devidas cautelas e ao criá-las, utilizar senhas robustas, por exemplo, utilizando letras maiúsculas e minúsculas, números e caracteres especiais.

Polícia Civil do Tocantins orienta sobre prevenção e denúncias de crimes cibernéticos – SSP/Governo do Tocantins
‹×

Casos durante a Pandemia

“Em tempos de pandemia, é comum que o uso da internet seja mais frequente, no intuito de pagar contas, fazer compras e se informar de modo geral. Contudo, o aumento da utilização desta ferramenta abre mais possibilidades para que criminosos tentem novas vítimas”, informa o delegado adjunto da DRRC, Claudemir Luiz Ferreira.

O delegado ressalta que, em razão da pandemia, houve aumento de casos desta natureza. Para evitar ser mais uma vítima, ele sugere aos internautas que realizem a verificação em duas etapas no aplicativo Whatsapp; que não acessem sites não seguros; que verifiquem dados de boletos e que duvidem de ofertas fora da realidade.

Saiba como denunciar

Para denunciar um crime virtual, a vítima deve registrar o boletim de ocorrência com todos os prints ou provas existentes (ex.: e-mail, endereços de URL das redes sociais, etc), ou seja, coletar o máximo de evidências possíveis. Ressaltando que atualmente tal registro pode ser feito por meio da Delegacia Virtual no link https://www2.ssp.to.gov.br/delegaciavirtual/.

A DRCC informa que cada caso é investigado de acordo com suas especificidades. Além disso, acrescenta que a Divisão Especializada de Repressão a Crimes Cibernéticos apura os casos descritos como crimes e orienta as vítimas a proporem ação na Vara Cível ou Juizado Especial Cível e solicitar o ressarcimento dos valores perdidos. A DRCC, por sua vez, irá apurar a responsabilidade criminal do autor.

Fonte: Patricia de Paiva e Shirley Cruz/SSP/Secom/TO.

Edição: Lenna Borges – Revisão: Marynne Juliate

Categorias

http://cerradopost.com/blogkonjuntura/

Redes Sociais!

Assinar!

Share On Linkedin

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Show Buttons
Hide Buttons