Com parceria da DPE-TO, projeto cinematográfico debate direitos humanos e o trabalho escravo

Projeto “Cine Fórum: Exibição Especial do Filme Pureza” aconteceu, via webconferência, na segunda-feira, 20

A linguagem cinematográfica é um instrumento acessível e democrático que otimiza a experimentação, sensibilização e compreensão dos direitos humanos. Neste contexto, o “Cine Fórum Olhar Direitos: Exibição Especial do Filme Pureza” foi realizado na segunda-feira, 20, via webconferência. O projeto é fruto de uma atuação conjunta da Defensoria Pública do Estado do Tocantins (DPE-TO), da Comissão Estadual de Erradicação do Trabalho Escravo do Tocantins (Coetrae-TO), Comissão Pastoral da Terra (CPT), Ministério Público do Trabalho (MPT), Escola Superior da Magistratura Tocantinense (Esmat) e Universidade Federal do Tocantins (UFT). A DPE-TO é representada no projeto pelo Núcleo Especializado de Defesa dos Direitos Humanos (NDDH).

Leia mais…

Na ocasião, houve a exibição exclusiva do filme brasileiro inédito “Pureza”,  que aborda a temática do trabalho escravo, um dos eixos de atuação do NDDH. A sessão especial foi disponibilizada no ambiente virtual da Escola Superior de Magistratura (Esmat), e, em seguida, foi aberto debate com a participação do diretor do filme, Renato Barbieri, da atriz Dira Paes (protagonista do filme), membros da Coetrae/TO, lideranças comunitárias, profissionais, ativistas e pesquisadores especialistas dos direitos humanos.

A DPE-TO foi representada no debate pela coordenadora do NDDH, defensora pública Carina Queiroz Vieira, e pela analista jurídica do Núcleo, Liz Marina Régis, que foi facilitadora no debate. O corpo técnico do Núcleo, contribuiu na elaboração e coordenação técnica do projeto, além de trâmites administrativos necessários à interlocução com as entidades parceiras.

Segundo a coordenadora do NDDH, a proposta do projeto foi de contribuir para a percepção dos direitos humanos em situações cotidianas e a sensibilização da sociedade quanto ao respeito, ao pertencimento e identidade. “A linguagem cinematográfica é uma ferramenta pedagógica acessível e democrática para experimentação e compreensão do trabalho escravo contemporâneo”, acrescentou a defensora pública.

Projeto

Desenvolvida no âmbito do projeto EducaDH, o “Cine Fórum: Olhar Direitos” tem por objetivo instigar a percepção dos direitos humanos em situações cotidianas, visando sensibilizar a sociedade quanto ao respeito, ao pertencimento e identidade.

Fonte: Cinthia Abreu/Comunicação DPE-TO

Categorias

http://cerradopost.com/blogkonjuntura/

Redes Sociais!

Assinar!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Show Buttons
Hide Buttons