Programa social incentiva o acolhimento de crianças em situação vulnerável por famílias temporárias

O objetivo é propiciar, com a ajuda dos voluntários, um ambiente mais saudável durante o processo de transição da criança para uma família adotiva ou para o retorno à família biológica

O Programa Família Acolhedora já ajudou sete crianças e adolescentes de Araguaína que se encontravam em situação de risco pessoal e social. O serviço capacita famílias da comunidade para receberem temporariamente em suas casas, crianças, adolescentes ou grupos de irmãos que precisam ser protegidos com o afastamento do meio familiar e comunitário.

Inicialmente as crianças são encaminhadas para a Casa de Acolhimento Ana Caroline Tenório, que atualmente atende 28 meninas na sede própria, além de 8 meninos em uma casa adaptada. O objetivo é conseguir que todas as crianças e adolescentes acolhidos possam ser direcionados a famílias temporárias cadastradas no programa, preparando-as para o retorno à família biológica ou para a adoção, dentro de um ambiente saudável.

“Este tipo de acolhimento representa a possibilidade de continuidade da convivência familiar em ambiente sadio para a criança ou adolescente que teve que ser levado para a casa de acolhimento municipal, dando-lhes amparo, amor e a possibilidade de convivência familiar”, explica a diretora municipal de Proteção Social Especial de Alta Complexidade, Eidila Augusta Mesquita.

Durante o período, todos são acompanhadas por uma equipe multiprofissional até o retorno à família de origem ou, na sua impossibilidade, o encaminhamento para adoção.

Ajuda financeira

O programa existe em Araguaína desde 2011 e possui 17 famílias cadastradas, que durante o período de acolhida recebem uma bolsa auxílio equivalente a um salário-mínimo por criança, para pagamento de despesas relativas à alimentação, vestuário, lazer, higiene, material escolar e outros gastos essenciais para o bem-estar físico, mental e social da criança ou adolescente. O valor é custeado pelo Fundo Municipal da Infância e Adolescência (FIA) que foi criado para a execução de políticas públicas que garantam os direitos da criança e do adolescente.

Como participar

Para se cadastrar no programa, é preciso ser maior de 21 anos, residente no Município de Araguaína há no mínimo dois anos, ter condições de saúde física e mental, não ter qualquer pendência judicial nem problemas com drogadição e sem restrição quanto ao estado civil.
“O mais importante é que essas pessoas tenham disponibilidade de tempo e interesse em oferecer proteção e amor, pois o papel da família acolhedora é essencial durante esse processo de transição”, destacou Eidila Augusta Mesquita.

Documentos necessários

Os documentos necessários para fazer parte do programa são:
– Carteira de Identidade (RG) e de Cadastro da Pessoa Física (CPF);
– Certidão de Nascimento ou Casamento;
– Comprovante de residência;
– Certidão Negativa de Antecedentes Criminais;
– Comprovante de vínculo trabalhista com apresentação de Carteira de Trabalho ou Contrato Trabalhista;
– Atestado de Saúde Física e Mental;
– Se aposentado ou pensionista, o interessado deve apresentar cartão do INSS.

Fonte: Por Felipe Maranhão | Foto: Marcos Filho / Ascom

Leia Mais…

Categorias

http://cerradopost.com/blogkonjuntura/

Redes Sociais!

Assinar!

Share On Linkedin

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Show Buttons
Hide Buttons